11 de novembro de 2008

POR QUE MATAM CRIANÇAS? - Parte II

Não resisti em continuar refletindo sobre o assunto. Fico me perguntando sobre as possíveis soluções para os casos existentes e consumados. Como tratar o indivíduo praticante de crimes sexuais e ainda quando há o agravante de ser contra crianças? Quais as garantias, após o cumprimento de pena, de que aquele indivíduo não voltará a praticar o mesmo tipo de crime? Como aceitar - e muitos até acham justo - o 'código de honra' dos presídios onde os apenados seviciam os presos por crimes desta natureza? Seria possível discutir na sociedade um tipo de garantia de acompanhamento, ou mesmo privação da liberdade, em locais especialmente preparados, para aqueles considerados como ameaças no sentido de potenciais reincidentes? É difícil acreditar - e sempre discuto este tema com pessoas quando eclode algum tipo de matéria sensacionalista sobre este tipo de delito - que um indivíduo que atenta contra uma criança, que violenta sexualmente e chegar até mesmo a tirar-lhe a vida seja movido apenas por uma suposta perda de referenciais morais. É verdade que há sujeitos amorais, para os quais as regras da convivência em sociedade não passam de meros badulaques, adornos sociais criados para alguns. Entretanto, é necessário refletir também se tal conduta não é resultado de um desequilíbrio de outra ordem, da organização da personalidade, da psiqué ou mesmo algo de maior profundidade como verdadeira enfermidade e que, como tal, precisa de tratamento, 'cuidados' permanentes, sem os quais, movido por forças que fogem ao seu controle, invariavelmente, poderá voltar a buscar as mesmas 'emoções' de antes. O assunto não é tão simples e os 'Datenas' e assemelhados da vida não revelam muita preocupação em ir até o âmago das questões, quando abusam dos espaços televisivos para repisar quinhentas vezes os mesmos bordões sobre as mesmas imagens. O fundamental, o bom mesmo - para eles é prender o telespectador diante da maldita tela da TV, segurá-lo ali, hipnotizá-lo com sua indignação de araque para que em poucos minutos o ibope aponte um aumento dos índices de audiência e isso se transforme em mais anunciantes e patrocinadores para os seus programas medíocres. Claro, tendo como consequência direta o aumento também dos numerários em suas contas bancárias. Sinto muito, mas até que gostaria de contar aqui hoje uma historiazinha leve e boa pra passar o tempo, mas pecisava falar disto pra não continuar com este engasgo terrível que por vezes me assusta. Temos muitas coisas importantes a fazer, não é mesmo? A vida nos chama! Falar nisso, vou fazer uns dengos ali no meu bruguelim, que anda tenso, se queixando porque tem brincado pouco, somente da hora que acorda até a hora de dormir. Há poucos minutos ele saiu do 'repouso' - uma denominação moderna e bem eufêmica para substituir 'castigo' - porque havia passado dos limites em certa circunstância. Assim, dando muito carinho, atenção, amor paternal e muitos 'nãos' quando necessários, tento mostrar pra ele que 'o mundo nunca estará aos seus pés' sempre que um seu desejo se manifestar. Afinal, se educar é acima de tudo um ato de positividade, de afirmação de valores, não há dúvids que é também de muita negação daquilo que pode fazer o contraponto entre o bem e o mal, ou o meio do caminho. Ô, vida!

3 comentários:

Anônimo disse...

Um assunto por demais complexo e extremamente polêmico... Permita-me o plágio: “Não resisti em continuar refletindo sobre o assunto” e por esta razão exponho-me ao emitir de forma direta e objetiva, uma possível solução para esses crimes cometidos por estes seres “pervertidos” ao ponto de praticar atos considerados monstruosos, tal como, sexo seguido de morte de crianças indefesas ou simplesmente a prática de atos libidinosos com elas. Se analisarmos os fatos pelos caminhos da psique, enveredaremos por caminhos teóricos e sem solução aparente. Em tese, iremos nos deparar com um conjunto de regras normativas que irá inocentar ou condenar a mente “doentia”, subjugando-a a tratamentos por meio de drogas e observações de estudiosos da psicanálise e, em contrapartida, aos princípios psicológicos, encarcerando-a dentro do seu próprio universo. De um ponto de vista unilateral uma “mente doentia” é aquela que foge dos padrões aceitáveis da sociedade em que vivemos, invariavelmente inigualável quando nos colocamos do lado contrário. Partindo do pressuposto de um objetivo direto para solucionar eventuais dúvidas do comportamento futuro desse indivíduo ao agregar-se novamente a sociedade, seja por determinação judicial com o aval dos especialistas da área, por que não eliminar o “mal pela raiz”?

Débhora Melo disse...

Qual tipo de doença ou transtorno possui um indivíduo com essas práticas? Não sei!
Qual justiça deveria ser feita com esses individuos? Isso não poderei dizer, pois colocarei o meu emocional a frente de qualquer linha racional.
Mas tenho no mínimo uma idéia do que hoje incentiva ainda mais a violência infantil.

No mundo contemporaneo a internet veio para ampliar e alavancar a prática da pedofilia.
As práticas pedófilas já existem desde a antiguidade, mas é nesse mundo atual, moderno, que se apresentaram e se propagaram marcando as crianças e adolescentes de forma violenta, grosseira, brutal.
E, à medida que se alonga a pobreza e mais se acentua a concentração de renda, aumenta ainda mais a prostituição infantil, que tem como um de seus aspectos a terrível e temida por nós que somos pais , a pedofilia.
A internet atualmente é considerada como a “rede do pedófilo”, um paraíso para eles, sendo pequena a diferença de comportamento entre quem produz, divulga ou apenas guarda uma foto no computador.

E o que nós vimos atualmente além dessa rede universal de comunicação que só abrange mais e facilita a violência em nossos pequeninos, são casos de pedofilia que envolvem pessoas que convivemos, em que confiamos, e muitas vezes estão acima de qualquer suspeitas como: médicos, professores sacerdotes, cidadãos que nós nem imaginamos , que pela sua conduta profissional e social não suspeitamos.
E são esses sociopatas que têm hoje uma grande oportunidade de elevar os seus instintos, pois vivemos numa sociedade voltada para o sexo e para o prazer, os apelos sexuais entram, se infiltram e se fixam em nossas casas, pelas tvs, nos panfletos distribuídos pelas ruas, nos outdoors, nas musicas ... hoje tudo está mais fácil e incentivado pelos meios midiaticos, pela alta tecnologia .
E essa pratica pedófila encontrou facilidade das mais diversas formas: cinema, fotografias, telefone,internet, enfim, com a utilização dessas infovias que os fazem se manter em completo anonimato, ao mesmo tempo em que percorrem pelo mundo com autoridade, buscando prazer absoluto num “mundo subterrâneo” construído também por eles mesmos.
Só resta vigiar os nossos pequenos e pedir proteção divina e que a sorte os acompanhe.
Fica registrado a minha indignação.
A indignação que maltrata a nossa mente, nos levando a ficarmos aterrorizados, essa é a palavra correta para o que sinto, no meio de tanta brutalidade diária.
Portanto, o perigo está ao lado, em frente, está ao nosso redor!

Um abraço,
E que Deus, a sorte ou qualquer coisa que acreditamos, tenha misericórdia de nós, pois as autoridades não tem.


Débhora Melo.

RANGEL JUNIOR disse...

Que bom ler suas interlocuções. O tempo não me permite agora, mas ainda hoje comentarei.
Agradeço.