7 de junho de 2020

O FUTURO É CHEIO DE PASSADO

Um amigo longevo me escreveu uma mensagem em que comentava sobre os anos 60, das poucas opções tecnológicas de informação e comunicação, da censura, etc. Fechava sua curta mensagem com “...mas éramos mais felizes que hoje.”

Daí eu fui comentar e terminei por me alongar um pouco. Mandei um longo comentário pra ele. O que publico aqui é o texto com ajustes.

Em qualquer conta haveremos sempre de concluir que “éramos mais felizes no passado”. Muito humano isso. Alguns indicadores. Quando muito jovens, o tempo pra nós é quase uma abstração. É como se nem existisse. Nós o engolimos com uma voracidade de feras. Sabe o por quê? Porque somos cheios, emprenhados de futuro. Ali, o presente é como um copo d’água, que bebemos sofregamente, saciamos a sede imediata e seguimos em frente. Hoje nós somos o futuro. Aliás, somos aquele futuro que sonhávamos no passado. Não do jeito que sonhávamos, mas somos o futuro do passado.  Dito de outro modo, talvez sejamos o futuro, porém um futuro cheio de passado e pouco futuro. Uns mais que outros, é bem verdade.

Se ontem éramos muito rápidos e tínhamos pressa em tudo, os dias se sucediam como um eterno despetalar da “folhinha do ano” e nós nem nos dávamos conta direito, agora os dias passam velozes e nós ficamos lentos. Queremos que eles passem lentos, queremos segurar o tique-taque inexorável de modo a ganharmos mais tempo. Tempo, tempo, tempo...que já não é mais uma abstração, mas uma espécie de guilhotina que nos ameaça.

É, meu amigo! Neste momento, vejo o tempo de uma forma extremamente ambígua. É como se ele fosse um grande aliado e ao mesmo tempo meu maior inimigo. Eu acredito que os mais longevos somente o são porque conseguem se manter emprenhados de futuro. Voltar a pintar, por exemplo, é o seu futuro. Planejar coisas novas e realizar coisas novas lhe enchem de futuro. Eu estou nessa. Principalmente olhando para experiências como a sua, do nosso amigo carioca e alguns poucos que vejo nessa linha.

Estranhamente, cada vez mais sinto que precisamos nos agarrar ao presente como forma de fugirmos desse “mal do século”, que é a ansiedade. Ao mesmo tempo, é o que não temos, o futuro, que nos impulsiona adiante. Esse nosso jeito de ser humanos.

Agora um desafio: imagine você hoje, com a agilidade e o tesão dos 20 anos… Não vejo futuro nisso. Viver o tempo de hoje e cada coisa a seu tempo, sem dúvidas é onde reside mais sabedoria. Melhor deixar como está!

Tirando a parte da nostalgia e das perdas sucessivas de antigos amigos, o tempo de hoje é mais complexo e fugaz, por isso envelhecemos aprendendo a degustá-lo devagar, saboreando cada segundo, cada pincelada na tela, cada acorde ao violão, cada gole de vinho ou cachaça, cada cafuné de um filho, um neto, um amor. Tempos em que um carinho às vezes vale mais que um orgasmo.

Estou quase entrando nessa fase. Ao menos me preparando pra vivenciá-la. Venho tentando ser mais cuidadoso com o tempo, respeitando sempre o meu próprio tempo, ao tempo em que vivo desejando e esperando que ele seja também generoso comigo.

Bom dia.
Meu abraço.
Rangel Jr.
(Em 02/06/2020)





5 de março de 2020

MEUS EUS - SONETO INCOMPLETO

Quisera essa luz que têm os vates
Lumiasse uma triste noite escura
E fizesse brotar da mente impura
Dois quartetos, quiçá, mesmo escarlates.

Coração que se preza não conjura
Se a paixão é loucura? Não empates!
Deixa ao cérebro a química dos debates
E os vieses sutis da conjuntura.

E então, o do contra vem contente:
– Faltará além deste outro terceto?
“Se faltar eu arrisco novamente!

Em fincar no juízo um grande espeto
E depois nunca mais, nem morto eu tente
Inventar de compor mais um soneto.”

Campina Grande, Agosto de 2012.

3 de março de 2020

A CAIXA PRETA DA VIDA (Mote e glosas)

Brincando com palavras, métricas e rimas no Clube do Repente. 

Há um mistério que ronda
Tudo entre terra e céu
Ninguém desvela esse véu
Qual riso da Gioconda
O vai-e-vem duma onda
A loucura abstraída 
Ou a verve enlouquecida 
Do menestrel ou aedo
Ninguém descobre o segredo 
Da caixa preta da vida.

Existe o quente e o frio
O sabido, o abestado
Existe cabra safado
E homem feito de brio
Não foge de desafio
Quem morde cobra parida
Há quem ri na despedida
O taciturno e o ledo
Ninguém descobre o segredo 
Da caixa preta da vida.

Já vi mais de uma vez
Lacaio passar por lorde
Quem assopra e depois morde
Gente de todo jaez
Quem desfaz o que já fez
Gente unida e desunida
Vi muita coisa escondida
Por detrás do arvoredo
Ninguém descobre o segredo 
Da caixa preta da vida.

Rangel Jr.
Mote de Normando Cordeiro

23 de março de 2019

UM MOTE DO CLUBE DO REPENTE

O relógio do tempo não perdoa
Com o seu tic tac intermitente
Alumia o futuro no presente
E dissipa no ar feito garoa
Pra você sei que fui uma pessoa
Que apertou o botão da fantasia
Seu sorriso até hoje me extasia
Mas faz tempo sumiu do meu radar
Você quer, sem querer, não se lembrar
Mas de mim tem saudade todo dia!


Eu duvido que passe um só minuto
Sem que sinta, sutil, minha presença
Você foi condenada e a sentença
Prolatada em juízo absoluto
É levar no seu peito esse matuto
Que emprenhou seu viver de poesia
E você nessa sua apostasia
Não esconde o que quer quase gritar
Você quer, sem querer, não se lembrar
Mas de mim tem saudade todo dia!


Rangel Junior
Mote: Nenem Patriota