27 de março de 2009

O QUE ANDEI "BEBENDO"

ALGUMAS 'PÉROLAS' DAS MINHAS LEITURAS. POR AGORA, ELAS FALAM POR MIM.
"O poeta deve compreender que a sua poesia tem culpa pela prosa trivial da vida e é bom que o homem da vida saiba que a sua falta de exigência e a falta de seriedade das suas questões vitais respondem pela esterilidade da arte". (Mikhail Bakhtin)
"Nosso discurso, isto é, todos os nossos enunciados (inclusive as obras criadas) é pleno de palavras dos outros, de um grau vário de alteridade ou de assimilabilidade, de um grau vário de aperceptibilidade e de relevância. Essas palavras dos outros trazem consigo a sua expressão, o seu tom valorativo que assimilamos, reelaboramos, e reacentuamos". (Idem)
"(...) a possibilidade de que algo nos aconteça ou nos toque, requer um gesto de interrupção, um gesto que é quase impossível nos tempos que correm: requer parar para pensar, parar para olhar, parar para escutar, pensar mais devagar, olhar mais devagar, e escutar mais devagar; parar para sentir, sentir mais devagar, demorar-se nos detalhes, suspender a opinião, suspender o juízo, suspender a vontade, suspender o automatismo da ação, cultivar a atenção e a delicadeza, abrir os olhos e os ouvidos, falar sobre o que nos acontece, aprender a lentidão, escutar aos outros, cultivar a arte do encontro, calar muito, ter paciência e dar-se tempo e espaço. (Jorge Larossa).

2 comentários:

Débhora Melo disse...

Rangel,

Esses por enquanto,falam por mim...


Liberdade.
Passei a vida a cantá-la, mas sempre com a identidade no pensamento, ciente de que é ela o supremo bem do homem.
Nunca podemos ser plenamente livres, mas podemos em todas as circunstâncias ser inteiramente idênticos.
Só que se o preço da liberdade é pesado, o da identidade dobra.
A primeira, pode-nos ser outorgada até por decreto; a outra, é sempre da nossa inteira responsabilidade.

(Miguel Torga in " Diário XVI")


O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada.
Ser artista não significa contar, é crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da primavera, sem temer que o verão possa não vir.
O verão há de vir. Mas só vem para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem na frente a eternidade.

(Rainer Maria Rilke)



Um abraço,

Débhora Melo.

KÁTIA LIMA disse...

OLÁ, COLEGA!


ESTOU VOLTANDO... KKKKK!
E VEJO QUE CADA UM PASSA POR UMA FASE DIFERENTE.
TAMBÉM ESTOU E BEMMMM DIFERENTE DE VCS... KKKK
MAS , TUDO ISSO FAZ PARTE.



"Os moços tão bonitos me doem,
impertinentes como limões novos.
Eu pareço uma atriz em decadência,
mas, como sei disso, o que sou
é uma mulher com um radar poderoso.
Por isso, quando eles não me vêem
como se dissessem: acomoda-te no teu galho,
eu penso: bonitos como potros. Não me servem.
Vou esperar que ganhem indecisão. E espero.
Quando cuidam que não,
estão todos no meu bolso."

(Adélia Prado)


ABRAÇOS A TODOS.


KÁTIA LIMA.