3 de março de 2009

POR FALAR EM CARNAVAL III

Um carnaval de não sei em que ano (1979 ou 1980), estávamos todos (falo da minha turma) muito empolgados. Eu parecia pinto no lixo de tão contente, pois estávamos todos muito envolvidos com a festa, com os grupos de amigos, com os sonhos de adolescente... Por arte do capirôto, do 'coisa ruim', acharam de matar Biu Crente, que morava a duas ruas paralelas à frente do Clube. Aí, naqueles tempos, em Juazeirinho, era uma afronta muito grande, um desrespeito com o morto e sua família fazer uma festa de carnaval quase em frente à sua casa, enquanto a família velava o pobre defunto. Nesse tempos não havia essa coisa asséptica que é a tal Central de velório, local planejado para despedida dos mortos. Creio ate que fica melhor, pois as pessoas ficavam depois com aquela imagem do defunto na sala de casa, daquele chororô todo de quase 24 horas, daquele amontoado de gente curiosa entrando e síndo, invandindo a privacidade e a dor dos familiares. Meus pêsames pra cá, meus pêsames pra lá, meus sentimentos... olhe que esse negócio é um saco! Mas voltando ao carnaval. Pois, com a morte de Biu Crente (que foi uma vindita contra a morte de um outro cidadão, que o primeira havia mandado pro além há alguns anos), acabou o baile de carnaval de Juazeirinho em plena terça-feira gorda. Logo no último dia? Acabou nosso carnaval... Por sorte, od deuses todos estavam do nosso lado. Ao menos do meu eu posso garantir! Alguns amigos se juntaram e em um chevette preto, muito do incrementado, de Robério, conseguimos 'armar' uma viagem pra Taperoá. Sete apertadinhos num chevette. Se não me falha a memória fomos eu, Zé de Cazuza, Nena, Leonilde, Sheila, Kôka e Robério Dantas! Foi uma noite de chuva, maravilhosa, por sinal! Dançamos a noite interia no CRETA (Clube Recreativo e Esportivo Taperoaense), tomamos banho de chuva, nos conhecemos mais, nos esbaldamos de verdade naquela que terminou sendo a noite de carnaval mais marcante de toda miha vida. Por conta de todos os contratempos, de ser uma terça-feira, de estarmos todos em tão boa companhia, numa festa saudável, agitadíssima e memorável. Tanto que estou aqui, uns 30 anos depois, lembrando de tudo. Tudo mesmo! Os detalhes? Ah! Se eu for contar tudo deixaria de ser um post prum blog e entraria noutro estilo, mais literário, próximo do conto, da novela... quem sabe até do romance...

2 comentários:

Aninha disse...

Amei as postagens de carnaval...Isso sim é um especial carnavalesco de blog que se preze. Sinto saudades de tu. Beijo enorme.

ALFRAPOEMAS disse...

Muito bem, seu dotô!

Li suas artimanhas praticadas nesses saudosos carnavais. E pensei... Pensei... Pensei... Quem sou eu pra reprová-lo?

E VIVA OS LOUCOS QUE UM DIA
INVENTARAM O CARNAVAL!

Abraços!