9 de novembro de 2009

O (MINI) VESTIDO DA DISCÓRDIA


A notícia mais quente da semana e ao mesmo tempo a mais mobilizadora dos meios de comunicação nacional, no momento, foi a expulsão da estudante Geisy Arruda, 20 anos, do quadro de estudantes da Universidade Bandeirantes (Uniban).

A moça da pauta, uma jovem reboculosa de cabelos transformados, causou espécie ao inexplicável universo dos machos de São Bernardo do Campo-SP, quando compareceu para assistir aula com um vestidinho vermelho, com pano sobrando nas mangas e escasso na parte de baixo.

Inevitavelmente lembrei de um xote cantado por Gonzagão, lá pelo final dos 70 e inícios dos anos 80, de autoia de Luiz Ramalho que vale a pena lemebrar a letra inteira:

"Comadre Joana sempre reclamou


Da minissaia que a filha tem

O namorado se invocou também

E certo dia pra ela falou:

Tua saia, Bastiana, termina muito cedo

Tua blusa, Bastiana, começa muito tarde


Mas ela respondeu: Oi, facilita

Pra dançar o xenhenhém, oi, facilita

Pra peneirar o xerém, oi, facilita

Pra dançar na gafieira, oi, facilita

Pra mandar pra lavadeira, oi, facilita

Pra correr na capoeira, oi, facilita

Pra subir no caminhão, oi, facilita

Pra passar no ribeirão, oi, facilita"

 
 
Mas, ora vejam só!
 
Se lá em tempos pretéritos (já se passaram 20 anos da morte do Rei do Baião) isto já era levado na onda, já se tinha tornado coisa banal, qual mesmo o sentido de tanta balbúrdia por causa de um vestido (ou minissaia) que termina mais cedo? Um olhar crítico sobre o fenômeno, completamente desprovido de juízos de valor é impossível.
 
O fato de conviver há mais de 29 anos com jovens universitários, tanto na condição de aluno quanto exercendo a docência, me dá uma certa noção no sentido de falar de um determinado lugar. Este lugar, em última instância está junto da tolerência. Posso afirmar que já vi quase tudo neste sentido (sem duplo sentido) quando se trata de moças de saias curtas e pernas cruzadas. Porém, nunca saí do meu lugar de educador, inclusive aconselhando, quando achei necessário, algumas a se protegerem.
 
O que causa espécie também, por outro lado, é que as mulheres conquistaram tal espaço no mundo moderno que lhes permite usar e, às vezes, abusar no uso da (pouca) roupa. Entretanto, isso virou uma banalidade de tal ordem que nem vejo mais as expressões de surpresa ou mesmo felicidade geral da macharia abestada com a passagem requebrante de qualquer jovem, a não ser que chame a atenção pelo conjunto da obra.
 
"E aí me dá uma tristeza no meu peito / feito um despeito de eu não ter com quem contar...", pois o problema é que a moça em pauta, em minha humilde opinião de macho, pelo conjunto da obra nem mereceria atrair para si tanta atenção. Afinal, ela estava vestida para dois eventos: uma aula e depois uma festa. Qual o problema? Qual o problema em gostar ou não de suas roupas ou do seu jeito de vestir e andar balançando seu patrimônio apertado naquele vestidinho curto?
 
Se ela tivesse se ofendido e (feito Maria Brexita, uma doida de saudosa memória, lá de Juazeirinho), num gesto de desespero, mostrado as partes pra quem quisesse ver, exibido o que não devia, ao menos naquele lugar reservado ao saber... praquele magote de marmanjos aparentemente obsediados... eu até admitiria a reação.
 
Todavia, apenas pelo uso da roupa, confesso que ela passaria por mim em qualquer lugar público ou privado merecendo, no máximo, um "olhar de conferência", como compete a 9 de cada 10 homens que eu conheço. O que queria então aquela macharada ensandecida escrachando a pobre moça com palavras de ordem e gritos de p... p... p...! E olhe que nem sei se ela é ou não. Porém, em qualquer circunstância, sendo o que seja, ela tem direito de andar, ir e vir, sem que se berre em coro que ela é isto ou aquilo.
 
Tenho certeza que muitas moças, centenas, milhares, em vários recantos deste país, têm ido às aulas, às missas, aos shopping centers com trajes idênticos e, às vezes menos compostos na parte de cima. Mais uma vez indago: qual o problema? Tenho certeza que boa parte daqueles jovens ensandecidos e defensores da moralidade e dos bons costumes que a UNIBAN protegeu expulsando a jovem, já ingeriu bebida alcoólica, já fumou maconha na universidade ao menos uma vez, já deu um amasso escandaloso em alguma donzela no interior da universidade ao menos uma vez, já fez isto em outros ambientes menos indicados ao menos uma vez. Qual o problema?
 
É bom lembrar que os linchamentos começam desse mesmo jeito. E aí as catarses coletivas acontecem, assim como em tempos muito remotos homens de carne e osso eram jogados aos leões para o divertimento da aristocracia.
 
Creio que nossa sociedade andamos perdendo coisas. Uma delas, sem dúvidas é o verdadeiro senso de preservação dos nossos direitos dos direitos dos outros, do exercício da cidadania e da justiça, da tolerância, do bom senso. Se não, coisas como essas não aconteceriam. E, se acontecessem teriam sido resolvidas no âmbito da própria instituição, sem maiores problemas, antes que tomasse tais proporções.
 
Pensando bem, acho que a moça perdeu muita coisa. Porém, pelo desenrolar dos fatos, ela sairá ganhando depois e muito. Perdemos nós todos brasileiros, e muito.

5 comentários:

ALFRAPOEMAS disse...

Como adorno ao seu brilhante texto, cabe muito bem esta quadra (não me lembro de quem), só sei que é assim:

A saia da moça em pauta
Foi feita sem ter medida:
Prá tá comprida tá curta,
Pra tá curta tá comprida.

Abraços.

Alfrânio.

Silvana Nunes .'. disse...

Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog, cheguei até você e gostei do que vi, tanto que pretendo voltar mais vezes.
No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da tela do computador está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar cuidado. Em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Nós professores temos a faca e o queijo na mão, temos conteúdo para isso. Dá trabalho sim, mas nada paga a sensação do dever cumprido, faz bem para a alma. VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR ! SIM, NÓS PODEMOS.
Se gostar da minha proposta, siga-me.
Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois às vezes a mensagem entram com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero que entenda quando não puder responder. O único barulho que escuto aqui é o som dos pássaros, grilos, micos...
Por hoje fico por aqui, Espero nos tornarmos bons amigos.
Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
Saudações Florestais !

wagner disse...

Olá Jr, mexendo por aqui encontrei teu blog, me chamou atenção sobre esta materia que virou noticia nacional .

Só um pequeno comentario, não sei pq tanta balburdia em relação a esta moça ( ou p... ) a mim não compete a esclarecer qual a classe dela, vc falou que 9 entre 10 homens olhariam para ela, eu sou o 1 destes 10, ja vi coisas melhores.

Parabens pelo que escresvestes.

Abraços.

RANGEL JUNIOR disse...

Fiquei preocupado por conta de uma amiga que leu meus comentários e avaliou que eu teria sido preconceituoso e machista em relação ao conteúdo e as referências meio jocosas que fiz à moça do vestido. Esclareço que não foi essa a minha intenção e, se passou tal impressão em algum ponto, não seria correto de minha parte, agora, eu tirar do ar o texto ou reescrevê-lo, uma vez que já fiz alguns ajustes na tentativa exatamente de evitar tais tendências.
Fica o julgamento por conta de cada um. É isso!
Grato pelas visitas.
rjr

Roberto disse...

Grande circo, muitos palhaços