15 de agosto de 2009

SOMENTE PORQUE É SÁBADO

Bate um banzo sem tamanho e a fonte é a saudade de minha velhinha abusadinha, com quem eu tinha, independente de todos os outros, um compromisso obrigatório todos os sábados pela manhã.
A visita matinal, às vezes levemente ressacado e atrasado, o olhar clínico e panorâmico no interior da geladeira, na fruteira e despensa, um comentário sobre algo especial e o rumo da feira central para a tradicional xepa do final de semana.
A visita aos mesmos pontos, as mesmas 'bancas', a mesma 'freguesia', o açogue, a duplicidade de feiras que intrigava às vezes o vendedor: "porque sempre em dois pacotes separados?" E a resposta jocosa: "É que faço feira pra duas mulheres...", um sorriso de cumplicidade do vendedor e a explicação: "uma delas é minha mãe!" Ahhhhhhhhhh!
A nostalgia da feira e agora os pacotes 'descasados' me levam sempre a um mesmo lugar, marcado por saudades e doces lembranças. Passo pouco naquela que foi a sua casa, não sem razão, e imagino o que sente João Bosco ao se mover por dentro dela diariamente... a cadeirinha cativa, o jardim, os chamegos de Teddy, o cãozinho adotado, o sorriso meio encabulado de sempre, mas sempre sorriso...
Era assim Da. Neide e sou eu assim todos os sábados. Eu sabia que um dia isso iria virar só lembranças. Ainda assim a vida me sorri e me diz que é pra seguir em frente, tocando em frente, construindo o caminho e criando coragem pra ir à feira todos os sábados, apesar de em larguíssima medida isto ter perdido o sentido. E eu aqui me derretendo em lamúrias públicas e elaborando a perda.
Vida que segue...

3 comentários:

Divanira Arcoverde disse...

Olá meu caro Júnior
As lembranças são vínculos que nos ligam à pessoa amada. Feliz de quem é lembrado, revivido, cultuado, venerado... Há muitas formas de fazer isto. Este depoimento é uma delas.
Dona Neide continua sorrindo, sorrindo... Porque tem filhos como tu, que a premiaste em vida... E não simplesmente pelas "feiras"...Mas, pelos gestos de amor, pela manutenção do carinho, pelo alimento da alma... Por teres feito em vida... Admiro-te pelos testemunhos de AMOR...
Um beijo maternal
Diva

Aninha Santos disse...

Porque as lembranças estarão sempre ali, alguns dias doendo menos, outros dias doendo mais. Algumas vezes provocando lágrimas, outras vezes despertandp sorrisos. As lembranças vão fazendo parte da gente e como você mesmo diz: vida que segue...

wagner disse...

Pegou pesado agora jr,pesado que falo pelo lado da saudade, eu fui testemunha ocular das " broncas " dela dirigidas a voce nos dias de sabado, quando ela abria a geladeira e ou olhava a fruteira e vc ainda não tinha chegado, ah, foram tantas....


Bateu mais saudades agora....