18 de fevereiro de 2009

THE END

Os filmes de antigamente, e nem sei se antigamente é tão longe assim, traziam após a cena final um letreiro simples que esmaecia de cima pra baixo, de baixo pra cima, ou simplesmente aparecia do meio e ia crescendo até tomar certo espaço da tela grande com a expressão "the end". Nos filmes nacionais, naturalmente, FIM. Agora, não sei se vocês já notaram, essa cultura passou pras novelas. Nos filmes não se vê mais a expressão decretando o final da história e a certeza de que, dali por diante, os personagens não mais iriam interagir ou interpretar os mesmos papéis. Na política, 'the end' não existe, a não ser quando o sujeito literalmente 'pendura as chuteiras' e vai cuidar da vida privada. Um caso paraibano de fraca lembrança é do ex-deputado João da Mata. Os filmes de hoje deixam sempre no ar a sensação de que a história pode continuar num outro filme, numa série, quem sabe (?), num filme diferente, mas que aproveita algus personagens do primeiro. Alguns diretores de cinema são mestres nessa arte. Na política paraibana, um dos filmes que terminou ontem à noite dá essa exata impressão: o filme acabou, todo mundo vai pra casa, a vida continua e dá aquela sensação de que lá dentro da tela grande os personagens continuarão o enredo, em novas circunstâncias, sem que a gente - figurantes (?) - saiba o roteiro do próximo episódio. De minha parte, considero que o rio que passava por baixo da tal ponte já esgotou todas as suas águas. Há quem diga que ainda há uma 'rapinha', um fiozinho d'água que ainda desce o rio em busca do mar, ou de outro rio, e que ainda passará sob a mesma ponte. Entretanto, por ser água pouca não teria o poder de mover mais areia ao ponto de interferir no leito e no curso do rio, nem mesmo de arrastar muitos gravetos adiante. Você acredita em papai noel? Em duendes (aqueles 'seres' da floresta)? Em mula-sem-cabeça? A Paraíba viverá um tempo novo? O próprio tempo dirá!

3 comentários:

Aninha disse...

Quando se está longe a angústia é ainda maior. A Paraíba viverá um novo tempo , caro amigo? Quem saberá? Talvez nem mesmo o tempo...

Abraço saudoso.

Anônimo disse...

E apois?
Vamos ver? Eis o discurso dos que 'ganharam' o governo. Estou torcendo tanto pra dar certo... porque se não der, tu o sabes, o pau entorta no nosso espinhaço... mas não quebra.
Pior é que alimento esperanças. Ou seriam ilusões? Nem umas nem as outras. Ass.: Eu mesmo!

Anônimo disse...

REPARO: Pior é que NÃO alimento esperanças...