26 de janeiro de 2010

AGORA SÃO AS PITANGAS

De tudo na vida é possível extrair lembranças. Uma doces, outras menos, umas dolorosas outras maravilhosamente fantásticas... outras simplesmente memórias vagas.
Agora um pequeno jabuti e uma criação de galinhas sempre me lembrarão Chico e nossas andanças lá pelo seu sítio, seu refúgio, com sua meninha Franciele de correria com Vinícius pelo oitão da casa e aquela desenvoltura de quem vê e convive com o mato com uma naturalidade própria de quem já nasce com ele (o mato) ao seu redor.
Minha acerolas, minhas plantas quase todas têm o cheiro e a imagem de minha mãe passeando por entre sua plantas no pequeno jardim que cultivava. Plantou em mim também o gosto por elas.
Como não olhar pro Mandacaru com novas flores que duram menos de um dia, e não se encantar com o espetáculo da memória viajando pelo tempo?
Agora é a pitangueira com sua primeira floração. Ainda pequena, mas já com quase dois anos de vida resolveu se mostrar pronta para a atividade reprodutiva. Não dá pra descrever por completo o sentimento, mas posso dizer com todas as letras que minha mãe está presente nas flores da minha pitangueira. Ela com seu sorrisão meio tímido, de se alegrar com coisinhas assim, quase banais.
E quando ela der uma safra considerável farei um delicioso licor com seus frutos azedinhos. E quem quiser provar dos seus frutos primeiros terá que vir diretamente ao pé colher pessoalmente. Enquanto isso é esperar que a natureza siga seu curso.
E eu aqui ruminando minhas saudades. Boas saudades.

6 comentários:

Bosco disse...

E por falar em saudade, hoje ela apertou um pouco mais,mas se quiser ver umas belas rosas e ruminar um pouco suas saudades venha ao jardim de dona neide tem umas rosas desabrochando estão lindas.

Aninha disse...

Todas as mães deveriam ser lembradas por flores desabrochando...

Salve d. Neide, jardineira de flores e de grandes homens.

NETO RANGEL disse...

Não me contive em lágrimas ao ler o comentário de Júnior. Ainda hoje vou ver o Jardim de Mãe, olhar suas flores e me encontrar com ela. Tenho certeza que ela está por lá, ajudando a regar cada planta e abrir aquele sorriso bonito a cada nova flor, a cada novo fruto. Mãe será sempre eterna, acho que prá todos nós. "Saudade é o amor que fica".
Até um dia!!!

NETO RANGEL disse...

Não me contive em lágrimas ao ler o comentário de Júnior. Ainda hoje vou ver o Jardim de Mãe, olhar suas flores e me encontrar com ela. Tenho certeza que ela está por lá, ajudando a regar cada planta e abrir aquele sorriso bonito a cada nova flor, a cada novo fruto. Mãe será sempre eterna, acho que prá todos nós. "Saudade é o amor que fica".
Até um dia!!!

nordestinocantador disse...

Pois é, meus caros!
às vezes fico pensando que os efeitos do passar do tempo se fazem mais presentes em minha vida agora.
Não que eu viva de saudades, mas descobi que o passado não é tão passado assim e que, como disse outro dia, águas passadas, às vezes, continuam movendo alguns moinhos.
Beijos pra vocês.

Anônimo disse...

Rangel, me fez voltar a infancia, lembrei de minha mãe e de minha avó.
Tão delicada e carinhosa sua declaração de amor... Sua mãe tem muito orgulho de voce! o fruto que ela tão bem soube cultivar. Emocionante!!!!!

Lembra do Malagueta Rio? pois é sua presença foi marcante no show que fez. Sou Nadia a pessoa que te recebeu mãe do Duani (cantor e zabumbatera do Forroçacana). Me envie seu email e seu telefone para contato, o meu é nadiadazurc@yahoo.com.br, vamos falar sobre shows???
Abraços,